.comment-link {margin-left:.6em;}

domingo, maio 31, 2009

 

Para ler e meditar

“ O imposto mais alto que os portugueses pagam é o da corrupção”
( Ricardo Cardoso in Tabu)

 

Lopes da Mota e Eurojust

O Eurojust veio esclarecer que foi europeia e não nacional a decisão de afastar Lopes da Mota da cooperação internacional no caso Freeport.
Assim o Eurojust corrigiu o Procurador - Geral da República. Enfim, este esclarecimento, que é lamentável, seria escusado se logo tivesse havido o propósito de se ser exacto!

 

A renúncia do Provedor de Justiça

O Dr. Nascimento Rodrigues que há já muitos meses terminou o mandato naquele lugar, já anunciou que vai renunciar, uma vez que no parlamento ainda não se conseguiu eleger um novo Provedor de Justiça. E faz bem Nascimento Rodrigues pois, na verdade, ele não é obrigado a manter-se na posição que desempenhou com competência e isenção durante alguns anos.
Pode ser que a renúncia leve os partidos a decidirem-se a acabar com o impasse que dura há meses.

 

Os professores nas ruas de Lisboa

Segundo os Sindicatos foram 80 mil os professores que participaram em mais uma marcha de protesto contra o governo e a sua política de educação.
Claro que a PSP falou apenas em que seriam somente 55 mil!
Mas, seja uma estimativa ou outra, o certo é que foram uns largos milhares de professores que fizeram esta já oitava manifestação.
E isso é muito significativo, quer dizer que a força da classe mantém-se, revelando-se a sua vontade em criticar a acção do Ministério da Educação.
O discurso de Mário Nogueira da Fenprof foi duro quanto ao governo, apelando para que a justa luta dos docentes continue.

 

A intriga

Algumas pessoas sentem satisfação ao fazerem intrigas!
E nem amigos e mesmo familiares escapam a esse intenso desejo de repetir às suas “ vítimas” o que, com mentira, dizem ter ouvido de outrem a respeito daqueles…
Regozijam-se quando verificam que, com a sua habilidade conseguem pôr uns contra os outros!
São insinuantes, fingem que gostam daqueles que querem intrigar, são manhosos na aproximação a quem pretendem levar a sua falsidade e rejubilam quando verificam que a sua maldosa conduta obtém os resultados desejados.
Para alguns, a intriga não tem limites, usando-se vários e censuráveis processos.
Em quantas famílias, em quantos círculos de amigos em quantos meios profissionais e até políticos as intrigas criam guerras, um forte mal-estar, corte de relações, afastamentos irreparáveis.
A intriga é mais frequente em pessoas que nunca souberam o que é a verdadeira amizade, o amor de família ou as regras da boa conduta.
Mais perigosa é a intriga vinda de quem é inteligente, maldosa, desejosa de se afirmar e de ser a “única”, aquela que julga saber tudo mas que carece de estatuto social.
A intriga é uma arma destrutiva de quem não se gosta e que é de difícil defesa, até porque ela dispara à “queima-roupa”.
Ai dos que não conseguem resistir à intriga que se faz à sua volta.

sexta-feira, maio 29, 2009

 

Ler e Meditar

“Sou solidário historicamente com o PS, mas não me podem pedir que vá travar as batalhas políticas que não são as minhas”

(Manuel Alegre, no “Expresso” de 23 de Maio)

 

Cadilhe devolve ou não os 10 milhões de euros?!

O Dr. Miguel Cadilhe, quando já estava reformado do BCP Millenium, foi convidado a “tomar conta” do BPN, negociando com este o recebimento de 10 milhões de euros pelos serviços prestados que, afinal, duraram apenas 6 meses.
Mas, agora, há quem sustente, com base no Código de Insolvência que terá d devolver aquela importante quantia, pois dada a já então situação do referido Banco, não se deveria ter feito tal acordo.
Como se resolverá mais este caso?!
É que, na verdade, custa restituir 10 milhões de euros…

 

Vítor Constâncio na mira de alguns deputados.

O caso BPN ainda mexe e mexerá por muito mais tempo, quer na Comissão Parlamentar quer no respectivo Processo–Crime.
Dias Loureiro já renunciou ao Concelho de Estado e, agora pede-se a “cabeça” do Governador do Banco de Portugal a quem acusam de são ter exercido bem a supervisão dos bancos, não usando de todos os meios que tinha a seu dispor.
Mas, Constâncio já declarou que não se demitia, porque fez o que lhe era possível, vindo só tardiamente a descobrir as ilegalidades praticadas na gestão de alguns bancos.
O certo, é que, quer no Millenium, no BPN e no BPP “as coisas” não andaram bem, perante a passividade das entidades às quais compete fiscalizar as actividades bancárias.

 

Ainda não foi desta vez!

Parece já ser uma “fantochada” o que se está a passar n Parlamento quanto à eleição do novo Provedor de Justiça…
Quando, afinal qualquer dos candidatos tem méritos e competência para exercer o lugar.
De 5 ficaram já pelo caminho 3, mas mesmo quanto aos dois “sobreviventes” indicados pelo PS e pelo PSD, não foi ainda nesta segunda volta que qualquer deles obteve a votação necessária e, Nascimento Rodrigues continua à espera, embora tenha terminado há já muitos meses o seu mandato.
Quando se resolverá esta brincadeira?!
Será, agora, na terceira Volta?!

 

O Dr. Fernando Nobre lançou 2 livros na Figueira

Com a assistência de um bom número de pessoas, p Dr. Fernando Nobre, dedicado presidente da AMI, esteve na Casa Havanesa para o lançamento dos seus dois últimos livros: “Histórias que contei a meus filhos” e “Imagens contra a Indiferença”.
Coube-me a honra de proferir algumas palavras, com as quais exaltei essencialmente e com toda a justiça, a acção humanitária e a ajuda médica que o Dr. Fernando Nobre tem levado amuitas regiões do mundo, sendo um verdadeiro militante da Solidariedade, Fraternidade e da Igualdade, entre todos os seres humanos.
O autor explicou, com muita simplicidade, o que o levou a escrever os dois livros que estavam a ser apresentados na Figueira.
E, mais uma vez, revelou o carinho, amor e entusiasmo com que tem agido, auxiliando povos, que em muitos lugares sofrem problemas graves de doença, fome e carência dos mais primários recursos de sobrevivência.
As palavras proferidas por Fernando Nobre constituíram mais uma lição da sua humildade e do seu desejo constante de se dar a quem precisa do seu amparo, dos seus cuidados.

 

O Festival de Maiorca

De 17 a 23 de Julho vai realizar-se a 35.ª edição do Festival Internacional de Folclore em Maiorca.
O Festimaiorca, graças ao esforço de um grupo de pessoas (de que é justo destacar a acção dedicada e entusiasmada de Maia Cardoso, a cuja memória prestamos homenagem), tornou-se ano a ano, uma das mais importantes concentrações de grupos folclóricos nacionais e estrangeiros.
Desta vez, serão 6 os grupos estrangeiros que estarão nesta edição e 10 os nacionais.
O Festimaiorca é ainda um bom elemento de propaganda da Figueira, pois, ao longo dos anos, tem trazido até nós o folclore de várias regiões do mundo, sendo os grupos aqui muito bem recebidos e levando as melhores recordações da nossa terra.
O referido Festival é dos eventos que merece o melhor apoio oficial.

 

Os Financiamentos para as campanhas eleitorais

Vai-se ouvindo já dizer que, este ano, não faltará dinheiro para custear as campanhas eleitorais, incluindo as autárquicas.
E são estas que mais importa preservar de financiadores interesseiros, que dão mas que querem receber com juros através de projectos (de urbanizações, por exemplo) que desejam ver aprovados pelos candidatos que apoiam e que venham a vencer.
É que quem ficar com a gestão camarária não deve ser “refém” seja de quem for, mormente dos que custearam esta ou aquela campanha eleitoral.
Na verdade, os candidatos devem ter o maior cuidado quanto a esses senhores do capital para que, no futuro, não tenham complicações ou se sintam “forçados” a pagar-lhes os favores…
Apoiar por convicção este ou aquele Partido, este ou aquele candidato, sim; apoiar por interesses meramente pessoais ou materiais, não e não!

quinta-feira, maio 28, 2009

 

Para ler e meditar

“Pode a sociedade política funcionar sem valores? Creio que não é difícil pormo-nos de acordo sobre uma resposta negativa. O vazio ético ou tão só a anemia dos valores éticos, conduz à anarquia, que é a negação de uma sociedade política organizada, enquanto comunhão de destino”
(António de Almeida Santos, no seu livro “Que Nova Ordem Mundial”, pág. 60)

 

Os recuos

Tem havido, no próprio Parlamento Partidos que aprovam na generalidade propostas de lei e, depois de saírem das respectivas comissões em que são apreciadas na especialidade, acabam por dar o dito por não dito.
Que no período da especialidade se procedam a algumas pouco significativas alterações, vá lá!
Mas recusar na sessão plenária o diploma na totalidade, é que não nos parece bem!
Quando os Partidos assim se comportam, não haverá que estranhar que individualmente alguém proceda de modo idêntico.
Ora, o que se impõe é que se seja coerente quanto a posições uma vez tomadas.
Se não for assim, nunca pode haver certezas e cai-se no “disse e não disse” que passa a dominar a vida política.
A flexibilidade, que vai sendo frequente quanto a posições iniciais é simplesmente criticável.
Sobretudo, quando, como há pouco sucedeu, estão em causa interesses pessoais escandalosos que se procuram manter, depois de se concordar em acabar com eles.

 

Engenheiro Daniel Santos

Confirma-se que este ex-autarca vai concorrer, na qualidade de independente à Câmara da Figueira, estando já a organizar a respectiva lista.
Cremos ser a primeira vez que aparecerá, no nosso concelho, uma lista de independentes para a Câmara, lista que, ao fim e ao cabo, será capaz de retirar votos aos Partidos concorrentes.
Quererá isso dizer que também aqui, na Figueira, há quem não se reveja já nos Partidos políticos?!
Claro que só no final se verá…
É, porém, corajosa, a decisão dos que querem disputar a gestão camarária sem vínculo partidário.

 

Mais uma de Vital Moreira para esquecer…

Este candidato do PS às eleições europeias lançou, há dias, a ideia de ser criado um imposto europeu, embora não explicasse bem como é que ele seria concretizado.
Mas a ideia não agradou nem sequer a responsáveis do PS e daí que, ontem, já não se falasse dessa propostas.
Nem Sócrates, que tem ajudado Vital Moreira na campanha, se referiu a tal imposto.
E até, pelo menos um elemento da lista, chefiada por Vital Moreira, se afirmou claramente contra essa ideia.
Quer-nos parecer que Vital Moreira está a ponderar pouco as suas intervenções, vendo-se obrigado a recuar em afirmações feitas, o que não lhe é próprio nem habitual.
Ele sente-se ainda, como se tem visto, pouco à vontade no papel de líder da lista do PS.

 

Enfim, Dias Loureiro renunciou…

O Presidente da República aceitou o pedido de renúncia do Dr. Dias Loureiro ao cargo de Conselheiro de Estado.
Era o que há muito se impunha!
Até porque vários outros Conselheiros já se tinham pronunciado a favor do afastamento dele e, ontem, depois do depoimento de Oliveira e Costa e do prolongado interrogatório que lhe foi feito na Comissão Parlamentar, não restava mais nada a Dias Loureiro do que fazer o que fez.
Acresce que, segundo já se noticiou, ele vai ser investigado num processo-crime
Libertou, finalmente, Cavaco Silva de uma indesejada posição comprometedora.
Oliveira e Costa disse haver mais pessoas que a seu tempo, serão indicadas com culpas na gestão danosa do BPN e da SLN.

quarta-feira, maio 27, 2009

 

O Dr. Fernando Nobre na Figueira

Manhã, dia 28, pelas 18h30 na Livraria Casa Havanesa vai fazer-se a apresentação de dois livros da autoria do presidente da Assistência Médica Internacional, Dr. Fernando Nobre.

 

Diz-se que:

- O actual Presidente da Câmara da Figueira disponibilizou já para fazer o seu terceiro mandato a enunciando em breve ser candidato, independente, pelo PSD.
- Também como há já muito vinha constando, Daniel Santos está a ultimar uma lista de independentes.
- O CDS/PP é que está em dificuldade em avançar para a s eleições autárquicas, não tendo ainda quem queira candidatar-se.
- Também o BE ainda não indicou candidato para a Câmara da Figueira.
- Duarte Silva quer que a sua lista seja totalmente remodelada.
- Só a partir do próximo dia 2 de Junho, o candidato do PS estará em condições para começar no terreno a sua campanha, desconhecendo-se, porém, quem vai escolher para formar a sua lista.
- Tal escolha será muito importante devendo recair em quem conheça bem o concelho e os seus mais prementes problemas. Tarefa difícil!
- Enfim, se tudo isto se confirmar vamos ter uma campanha muito animada de resultados imprevisíveis.

 

Quem quer destruir o que é bom?

O Professor Doutor Manuel Antunes, dedicadíssimo Director do Centro de Cirurgia Cardiotoracica dos Hospitais de Coimbra, cirurgião de invulgar competência, ameaçou abandonar o lugar se a administração soa HUC reduzir, como parece pretender, o horário semanal de 42 para 35 horas dos enfermeiros e técnicos da equipa chefiada por aquele distinto médico especialista de renome internacional.
Aquela equipa tem prestado serviços cirúrgicos notáveis, pelo que não se aceita, e bem, a concretização da intenção de poupança por parte da administração dos HUC.
Há mais de 20 anos que o Doutor Manuel Antunes conseguiu criar uma dedicada e muito experiente equipa, que tem feito “ maravilhas” na cirurgia cardiotoracica, sendo já uns milhares de doentes que lhe devem as suas vidas.
São já muitos os protestos de pessoas e entidades ligadas à área da saúde em relação ao anúncio daquela redução de horários.
Protestos justíssimos, pois que a “ poupança” surja noutros lados e não num Serviço importantíssimo que tem funcionado exemplarmente e com os melhores resultados.
Por favor, deixem trabalhar quem sabe e quer, em prol da Saúde.

 

A defesa do Primeiro-Ministro

Na visita que este fez a uma escola de Coimbra, um grupo de professores foi impedido pela PSP de entregar-lhe um documento.
Ouviu-se, porém, por uma reportagem televisiva, o que um dos professores, com muita serenidade mas com coragem, disse lamentando que Sócrates esteja cada vez mais interdito de se aproximar das populações e, naquele caso, um pequeno grupo de professores que nem sequer estavam a manifestar-se, não dispondo de qualquer cartaz ou faixa com críticas ao governo.
Parece-nos que essa atitude, que já não é única, não beneficiará o Primeiro-Ministro nem a democracia que alguns pretendem desvirtuar.

 

As eleições europeias

Cavaco Silva já aconselhou, e bem, que a campanha para tais eleições, que já se iniciou, deve ser serena, esclarecedora e mobilizadora.
Para isso, devem os partidos em confronto deixar-se das habituais crispações quanto à política nacional, dispondo-se a discutir mais os assuntos relacionados com a UE e são muitos aqueles que merecerão a sua atenção: a organização e o funcionamento dos órgãos comunitários, o futuro do Tratado de Lisboa, a melhor articulação entre a legislação comunitária e a dos países membros, as medidas a tomar para uma Europa mais social e coesa, etc.
Mas, ou por ignorância ou propositadamente o que se vai já discutindo entre os partidos é a grave situação actual do nosso país e quase não se tem falado em como a UE poderá ajudar mais a resolver esse problema.
Daí que, como aliás já é habitual, a abstenção possa cifrar-se numa elevada percentagem revelando um desinteresse por algo que devia merecê-lo.
Por que é que a maioria dos portugueses gosta, de vez em quando, de dizer-se europeus?
Afinal, parece que a UE serve apenas para um número reduzido de portugueses estarem nos lugares do Parlamento Europeu, bem instalados e bem remunerados.
Porque, infelizmente, aqueles que cá ficam parece “ ligarem à terra” o que se passa naquele importante órgão internacional, não aproveitando sequer a ocasião das eleições respectivas para se pronunciarem.
Aos partidos compete proceder à mobilização necessária para a votação, deixando para as eleições legislativas e autárquicas os problemas nacionais.

 

Há quem não se conheça bem

Conhecer-se a si próprio é essencial, para que se proceda sempre com lisura e não se queira, a todo o custo, ir mais além do que se vale!
Mas, infelizmente, poucos já assim pensam e se conduzem.
A sua ambição é muito grande, desmedida, quando se trata de conseguir o que mais lhes interessa...
Julgam-se com as melhores qualidades para ocupar este ou aquele lugar, quando não têm mérito suficiente.
E daí que, se for preciso, usem dos meios mais censuráveis para uma sua afirmação, aliás falsa, desvalorizando os predicados dos que se opõem ao que desejam.
Conhecendo-se bem a si próprio é, sem dúvida, uma virtude, e tal será de molde a que não se deseje ou venha a atribuir-se uma posição a quem não tenha aptidões que as justifiquem.

domingo, maio 24, 2009

 

Para ler e meditar

“O ministério trata os professores como se fossem imaturos e aldrabões. Não admite a autonomia, abomina a iniciativa e a responsabilidade. Cria um clima de suspeição. Obriga os professores a comportarem-se como robots”
(António Barreto no Público de hoje)

 

E a Naval continua na Primeira Divisão

A certa altura do campeonato, chegou a recear-se que a Naval não se aguentasse na competição maior do futebol português.
Mas, felizmente, tal não aconteceu e o cube figueirense conseguiu fugir aos lugares da despromoção, posicionando-se há já tempo em lugar acima da linha de água!
Merecem, pois, parabéns não só a família navalista mas todos os figueirenses, já que é a equipa verde-branca que pode trazer à Figueira muitos adeptos do futebol, com benefícios até para a economia da nossa terra.
Porém, a população figueirense é que não tem correspondido ao esforço que, decerto, é exigido para manter a equipa e não comparece nos jogos, sendo certo que as televisões mostram quase sempre o Estádio Municipal quase vazio.
É pena que assim seja, esperando-se que isso mude, como se impõe por clubismo, bairrismo e justiça.

 

A marcha de protesto do PCP

Em Lisboa, como estava anunciado, realizou-se uma marcha de protesto promovida pelo PCP para comemorar o início da campanha da CDU para as próximas eleições europeias.
E foram cerca de 80 mil os participantes nessa manifestação, vendo-se nela muitos e sugestivos cartazes e faixas de pano com críticas ao governo.
O discurso de Jerónimo de Sousa foi, com já é habitual, muito duro nas censuras às políticas que têm sido seguidas, dizendo que mesmo antes da crise internacional, já Portugal tinha entrado em crise e com falta de estruturas para a combater.
Denunciou o agravamento das desigualdades sociais, o muito preocupante aumento do desemprego (são já cerca de 500 mil os trabalhadores que enfrentam essa situação), o aumento da pobreza, tudo isso resultante de um capitalismo ganancioso e das políticas ultraliberais.Mais uma vez, o PCP demonstrou o seu poder de mobilização para estes actos de protesto público.

 

Primeiro Comício do PS em Coimbra

Com a presença amiga e solidária de Zapatero, Sócrates teve ontem 2 Comícios inaugurais da campanha para as eleições europeias.
Um em Valência, Espanha, e outro em Coimbra.
Este realizou-se, o que é de estranhar, no Pavilhão do União de Coimbra, que é o mais pequeno da nossa capital de distrito, e não chegou a encher.
Porquê não arriscar mais, até porque era o primeiro Comício e tinha a presença do Secretário-Geral do PSOE?!
De estranhar também que Sócrates não hesitou em principalmente “atacar” a oposição, mormente Manuela Ferreira Leite a quem chamou uma líder retrógrada, passadista, irresponsável e falida de ideias.
Já Vital Moreira preocupou-se mais com assuntos relacionados com a UE, enumerando aqueles que lhe parecem ser prioritários, para a tornar mais social e coesa.
Apesar de a assistência ser de várias localidades, o Comício não teve o entusiasmo que se esperava. Mas, foi o começo!

sábado, maio 23, 2009

 

Para ler e meditar

“ Se eu avançasse para a constituição de um novo partido era como ver Eusébio vestir a camisola do Sporting”
( Manuel Alegre in Expresso de hoje)

 

Ainda não há novo Provedor de Justiça

A eleição de ontem, no parlamento, não teve resultado conclusivo. Jorge Miranda obteve 113 votos e Maria da Glória Garcia 59, sendo os mais votados, pelo que terão de disputar, já na próxima sexta-feira uma segunda volta.
Para a eleição do Provedor de Justiça serão precisos dois terços dos deputados votantes.
Conseguirá qualquer dos candidatos que o assunto fique agora resolvido?
É, na verdade, ridículo que no parlamento não se chegue a uma conclusão, quando Nascimento Rodrigues ainda o actual Provedor já terminou o seu mandante há muitos meses.
Estamos convencidos que, desta vez, os deputados vão mesmo fazer uma opção.
E esta, quanto a nós, deverá recair no Professor Doutor Jorge Miranda constitucionalista muito distinto e um dos principais “ autores” da Constituição de 1976.

 

Quando se deve acreditar?!

Na semana passada, a imprensa noticiou que o Dr. Lopes da Mota tinha afirmado ter invocado os nomes de Sócrates e do Ministro da Justiça, nas “ conversas” havidas com os Procuradores que estavam a proceder à investigação no caso Freeport.
Mas hoje, com surpresa, Lopes da Mota vem, embora com mais de uma semana de atraso dizer que tal não é verdade.
Quer-nos parecer que a situação exigiria uma reacção imediata ao aparecimento daquela primeira notícia.
Mas não, só agora surgiu o desmentido...
É caso para perguntar: o que se há-de pensar das posições de Lopes da Mota.
Parece, infelizmente, que se está numa época em que, com o decorrer do tempo, mais se avivam as memórias de alguns!

 

Problemas na Ordem dos Advogados

Como se esperava, depois das últimas declarações públicas do Bastonário da Ordem dos Advogados, há já um conjunto de 100 advogados que se dispõem a convocar uma assembleia geral para apreciação das posições que Marinho Pinto tem tomado no desempenho das suas funções.
É que, na verdade, o actual Bastonário parece ter prazer em dizer mal dos seus colegas, fazendo afirmações a despropósito e censuráveis impróprias de quem está naquele lugar.
A última foi dizer que há advogados que ajudam clientes à prática de crimes, sobretudo de natureza económica!
Mas não indicando nomes, generalizou o que é de molde a ofender toda uma classe profissional.
Sabe-se que há profissionais que não cumprem as regras deontológicas, mas isso poderá e deverá levar à instauração de processos disciplinares e de sanções impostas pela Ordem.
E, ultimamente, muitos têm sido esses processos. Mas dizer-se o que disse o bastonário é muito grave, principalmente desconhecendo-se os visados e as provas que há!
Marinho Pinto ainda ontem na TVI não foi capaz de se conter, apesar de Manuela Moura Guedes ter provocado a “ peixeirada” a que se assistiu.
Realmente, este Bastonário intitulando-se frontal, corajoso, desassombrado não tem, sim, cumprido com nível e elevação as suas funções.

sexta-feira, maio 22, 2009

 

Para ler e meditar

“ O bloco central é juntar o Benfica e o Sporting numa só equipa”
( Luís Delgado in 24 Horas do dia 8)

 

Os vetos do Presidente

Salvo erro, este Presidente da República foi o que, até agora, mais vetou diplomas da Assembleia da República. Agora, “ chumbou” a lei sobre os media que fora aprovada
Pelo grupo parlamentar do PS. E a verdade é que este partido parece ir conformar-se com tal veto, abandonando a defesa daquela lei.
Nesta altura não convém mais crispações institucionais.

 

O regresso da tuberculose

Durante anos, a tuberculose no nosso país quase desapareceu e fecharam-se os sanatórios e outros serviços ligados a tal doença.
Mas, pelo que está presentemente a acontecer essa terrível doença encontra-se de volta e até já entrou nas escolas.
E quanto mais se vier a agravar a crise mais condições há para que a tuberculose afecte a população.
É a fome ou a deficiente alimentação dos jovens e dos adultos, é a falta dos mínimos recursos que se vai sentindo, são as más condições de higiene.
Tudo isso poderá contribuir para que alastre a tuberculose.
É preciso, pois, que com urgência se enfrente esse problema, criando campanhas eficientes para o atacar.

 

A UE e os Magalhães

Estes computadores, que o governo escolheu para distribuir uns milhares pelas escolas, estão com azar!
Primeiramente, vieram a encontrar-se erros nos programas e erros de palmatória.
Há dias, foi a Comissão Europeia que considerou como ilegal a aquisição dos Magalhães, por violação das leis da concorrência ao fazer-se contratos por ajuste directo.
Por que não se tratam as coisas como deve ser?
Assim, bolas, são constantes os tiros nos pés por parte de quem não devia dá-los!

 

Há quem não se sinta bem...

Na verdade, só quem se sente culpado de qualquer atitude para com outrem não é capaz de, com frontalidade, conversar sequer com quem precisa de trocar impressões, ou apenas de lhe fazer um simples convite.
E, então, serve-se, por vezes, de outra pessoa para levar “ recados” a alguém que devia merecer-lhe, por várias razões, consideração e respeito. Quer dizer que, se a princípio andou mal, pior ficou utilizando um intermediário.
É pena que, sobretudo, quem ocupa certos lugares, não saiba conduzir-se segundo as regras da boa educação...
Mas, costuma dizer-se que a educação toma-se em pequenino!

 

Ao que se chegou!

Um enfermeiro queixou-se, por carta, ao Presidente da República de estar a ser perseguido hierarquicamente no seu serviço, sentindo-se prejudicado.
Pois a administração do respectivo hospital onde trabalha aquele enfermeiro decidiu-se rapidamente em instaurar um processo disciplinar e apresentar uma queixa-crime por difamação.
Só que o Presidente da República tomando conhecimento do caso agiu no sentido de considerar inaceitável que quem se queixe ao Presidente venha a ser sancionado!
E, é claro, logo que a administração do hospital soube da reacção de Cavaco silva imediatamente acabou com os processos que instaurara.
Ao que se chegou no nosso país...
É realmente inconcebível que se queira cercear o Presidente da República em receber queixas dos cidadãos que se sentem injustiçados.

 

O Ministro queria, mas...

O Ministro da Justiça disse estar pronto a ir ao parlamento para ser ouvido no caso Lopes da Mota.
Mas, a maioria do PS não consentiu, votando contra.
É realmente estranho que tal tenha acontecido, parecendo que mais do que a vontade do Ministro vale a vontade dos deputados do seu partido!
Que receio poderia haver das declarações que Alberto Costa prestasse na respectiva comissão parlamentar?!
Se o nome dele foi usado por Lopes da Costa, nas tais “conversas” com os magistrados encarregados da investigação no caso Freeport, justificava-se, sim, que ele fosse ouvido dando-lhe a oportunidade de se defender.
Insondáveis mistérios os que vão acontecendo na nossa política.

quinta-feira, maio 21, 2009

 

Para ler e meditar:

“Não podendo retirar a confiança a Dias Loureiro e a Lopes da Mota, os eleitores podem retirá-la a quem os mantém”

(Joana Amaral Dias, no “Correio da Manhã” do dia 16)

 

Padre Francisco Antunes

Só ontem soubemos que, no passado dia 11, faleceu com noventa anos, o Padre Francisco Antunes, que, durante muito tempo, esteve como responsável do Seminário da Figueira e depois em Coimbra.
Este sacerdote foi um muito valioso membro da Igreja, prestando-lhe relevantes serviços.
De extrema bondade, grande fé e amor ao próximo, principalmente aos mais carenciados, o Padre Francisco “deixou marcas de santidade”, como disse o Bispo de Coimbra na missa do se funeral.
Conhecemos bem o Padre Francisco, com quem tivemos muitas e interessantes conversas em que ele sempre revelou grande abertura e aceitação mormente aos valores humanos.
Prestamos sentida homenagem à sua memória

 

Seixas Peixoto expõe em Aveiro

No próximo dia 23, pelas 17 horas, é inaugurada em Aveiro na Galeria “Enquadrar” a exposição “Clipagem Aveirense” do nosso amigo e distinto artista plástico Seixas Peixoto.
Desejamos-lhe o maior êxito que é bem merecido.

 

Bendita propaganda eleitoral

Quase tudo o que agora se faça no aspecto social, dizem alguns, que é com vista á campanha eleitoral.
Estranha-se, é verdade, que só agora se arranje tanto dinheiro para inúmeras iniciativas e apoios de natureza social.
Mas, a época de crise que se atravessa não deve permitir que se censurem as ajudas aos mais carenciados, venham de onde vierem.
Poderá, sim, criticar-se a demora com que chegaram essas ajudas, mas dizer mais do que isso, não será aceitável.
Tudo o que agora se fizer a favor dos necessitados deve agradecer-se.

 

Se fosse todos assim!

Como se sabe, vários políticos ingleses pediram a demissão dos cargos que ocupavam por ter sido descoberto que gastaram dinheiros públicos em coisas da sua vida privada.
Reparações nas suas casas, viagens de férias, roupas, etc., de pouco ou muito valor – tudo isso serviu para justificar as demissões, pois estava em causa o mau gasto do erário público.
Foi uma grande lição que aqueles políticos ingleses deram a todos aqueles que ligam pouca ou nenhuma importância aos valores morais e às responsabilidades que lhes advêm das suas funções oficiais.

 

Edifício da Infância “António Biscaia” foi inaugurado

Na Misericórdia – Obra da Figueira, foi ontem inaugurado oficialmente pela Dr.ª Maria Cavaco Silva o novo Edifício da Infância a que foi atribuído o nome de António Biscaia, meu muito saudoso Pai, que durante 47 anos esteve á frente dos Asilos da Infância Desvalida e dos Velhos – Obra da Figueira, como então se lhe chamava.
Após o descerramento da respectiva placa e no hall, onde se encontram as fotografias do patrono do referido edifício e de D. Lídia Abegão Magalhães, figueirense que deixou em testamento um valioso legado para ser aplicado na construção e equipamento daquele edifício, tive a oportunidade de proferir algumas palavras, principalmente para agradecer a homenagem à memória de meu Pai, seguindo-se no uso da palavra o Provedor Dr. Joaquim de Sousa, o Sr. Presidente da Câmara e o testamenteiro da referida Sr.ª D. Lídia, finalizando com as palavras da Dr.ª Maria Cavaco Silva.
Depois da bênção pelo Cónego João Veríssimo, a ilustre visitante percorreu todos os pavilhões da Instituição, mostrando-se muito bem impressionada.
A Vice-Provedora Dr.ª Virgínia Pinto deu vários e completos esclarecimentos sobre o funcionamento da Instituição, sendo justamente elogiado o seu trabalho pelo Provedor e por mim próprio.
Mais uma vez, impõe-se-me manifestar ao Dr. Joaquim de Sousa e aos seus mais directos colaboradores a lembrança que tiveram em ligar o nome de António Biscaia àquele Edifício da Infância.

 

Ficou mal assinalado o Dia do Advogado

Não decorreu da melhor maneira a comemoração do Dia do Advogado, dadas as declarações do Bastonário, como sempre, surpreendentes e “bombásticas”.
Disse ele que há indícios de que advogados ajudam clientes a concretizar crimes.
Não indicou, claro, nomes, e isso indispôs toda uma classe, que necessariamente se sente ofendida.
Quando o dia devia ser de exaltação das funções dos advogados, pondo em relevo o seu comportamento na defesa dos direitos fundamentais do cidadão e na sua contribuição válida para a melhor administração da Justiça, o Bastonário, mais uma vez, não hesitou em encontrar mais uma forma de denegrir a classe.
Em vez de apelar a que cada advogado fizesse uma reflexão séria e profunda sobre o modo como exerce a profissão, que se deve basear na honestidade, na competência, na solidariedade devida a quem precisa (tenha ou não dinheiro) de defender os seus legítimos direitos, o Bastonário preferiu “acusar” em abstracto, os advogados que, segundo disse, não se conduzem bem.
Enfim, este Bastonário é, na verdade, uma “caixinha de surpresas”, procurando apostar em relação ao que vai mal, rebaixando a classe, a que também pertence.
Não tem, na verdade, “estofo” para exercer as suas funções, como, aliás, vai sendo reconhecido por muitos advogados, alguns deles de inegável mérito e que já foram bastonários.
Sabe-se que, hoje haverá advogados que querem enriquecer depressa, que valorizam os processos pelo rendimento que lhes podem dar, como se a advocacia fosse um comércio em que “se vende pano a metro”.
É aí sim, que deve estar a preocupação do bastonário, não permitindo que se apresentem contas exageradas e sancionando devidamente a negligência como alguns advogados tratam os seus processos.
É que, na verdade, vai-se vendo por aí muitas dessas coisas, o que, desacredita a profissão.

segunda-feira, maio 18, 2009

 

Ler de Meditar:

“Sobre os preservativos nas escolas, um aviso: A última vez que o governo distribuiu material por elas, os Magalhães estavam cheios de erros. Espera-se que desta vez os preservativos não venham furados.”
(João Pereira Coutinho, no “Correio da Manhã” de 17 do corrente)

 

Louvável iniciativa de solidariedade

Os chamados Clubes de Serviço (Rotary, Lions da Figueira, Lions de Santa Catarina e Kivanis) associaram-se à campanha de solidariedade lançada pela Câmara Municipal.
A campanha teve êxito, mercê sobretudo da boa vontade dos seus organizadores e uma grande tenda, montada na Praça da Europa, já recolheu muitas ofertas de móveis, roupas, electrodomésticos e outros bens com destino a famílias carenciadas.
Oxalá a união entre aqueles clubes se verifique mais vezes, já que a todos é comum o princípio da solidariedade.
Da parte da Câmara, a Vereadora Maria Teresa Machado foi a principal obreira dessa campanha.

 

De mal a pior

Os últimos números sobre a situação da nossa economia, pioraram significativamente.
Tal já foi reconhecido pelo governo, embora, como sempre, se tenha feito a comparação com o que sucede noutros países.
Isso, porém, não deve servir-nos de consolação, até porque não se deve esquecer os melhores recursos que esses países já tinham antes do eclodir da actual e grave crise.
Para quê comparar o que não é comparável?!
Uma coisa é certa: Já quase chega aos 500 mil os desempregados, as exportações não param de cair, o défice orçamental deve este ano ultrapassar os 6%, as empresas encerram às dezenas quase todos os dias, enfim um vasto rol de coisas más.
E, segundo parece, as pequenas e médias empresas, que empregam milhares de trabalhadores, tardam a receber os apoios oficiais anunciados.
O conhecimento de tudo isto e de muito mais levou já o Primeiro Ministro e o Ministro das Finanças a revelarem a sua preocupação profunda.
Mas, se assim é, há que saber imaginar e reforçar, com urgência e eficácia, as medidas do combate é crise.

 

Os que jogam por fora…

Há quem diga que não é político, que nunca pertenceu a qualquer partido, que é indiferente a tudo isso, mas não deixam de tentar jogar por fora para obterem dos que detêm o poder benefícios para os seus negócios.
E, então, embora na sombra, desenvolvem um “trabalho de sapa” para angariar a simpatia e os favores de quem lhos pode dar.
Apostam, claro, nos políticos e nos partidos que melhor podem satisfazer as suas ambições, não regateando ofertas em dinheiro, por vezes, bem valiosas.
É que as campanhas eleitorais têm custos elevados, já que nem nesta altura da crise, os partidos são capazes de se retraírem mas despesas.
Ora, os políticos honestos devem ter o maior cuidado em não se deixarem seduzir pelas promessas e ofertas daqueles que apenas olham para os seus interesses materiais…
Se assim não o fizerem, mais cedo ou mais tarde, poderão ser acusados de ilicitudes e, então o que os levaram a prevaricar fogem a quaisquer responsabilidades.
Agora, que se aproximam eleições, os candidatos a lugares políticos devem saber distinguir o “trigo do joio”, furtando-se á tentação de aceitar ajudas mal intencionadas.

domingo, maio 17, 2009

 

Para ler e Meditar

" Que o povo anda divorciado dos partidos políticos, já sabíamos.
Não sabíamos era quão profundo é o divórcio.
É preciso continuar a democratizar a democracia"
( António José Teixeira in Diário Económico de dia 15 do corrente)

 

Obama já não cumpriu uma promessa...

Soube-se, agora, que os presos em Guantanamo acusados de certos actos de terrorismo, continuarão ali a ser julgados por tribunais militares, nomeados “ ad hoc”.
Mas o novel Presidente dos EUA tinha prometido que os libertaria, chegando a pedir a ajuda de outros países para os acolherem e, pelo menos, por enquanto, tal promessa ficou sem efeito!
Os presos a ser julgados terão, porém, mais apoios jurídicos, que lhes garantirão uma defesa mais isenta.
Seja como for, é pena que Obama deixe cair promessas das que fez...
As pressões, claro, devem ser muitas!

 

Manuel Alegre continua

Esta figura histórica do PS anunciou já que, embora não querendo integrar as listas para deputados à Assembleia da República, não abandonará o Partido que tanto tem prestigiado, levando a sua voz incómoda a defender, e de que maneira brilhante, as suas matrizes essenciais da esquerda democrática.
Ficará, agora, fora do Parlamento, que durante tantos anos honrou com as suas posições coerentes e corajosas, mas não deixará decerto de se deixar “ apagar”.
Continuará a ser um militante activo, zelando pela fidelidade do PS aos seus princípios programáticos.
As suas intervenções no Parlamento, sempre eloquentes, esclarecidas e de grande conteúdo político, farão falta.
Mas, pelo que se sabe já, alguns dos socialistas que sempre o apoiaram irão integrar as próximas listas de deputados.
E saberão seguir-lhe o exemplo, de independência. De coerência, de frontalidade e coragem.
A decisão de Manuel Alegre foi acolhida com satisfação por Sócrates e pelos seus camaradas mais “ notáveis”, que não hesitaram em tecer-lhe louvores, aliás, muito justos.
Mesmo alguns que o tenham criticado várias vezes associaram-se, agora, a tais louvores, considerando-o como figura indispensável à democracia portuguesa, pela qual tanto lutou no tempo da ditadura e mesmo já depois da Revolução de Abril.
Só Lello se escusou a fazer comentários à permanência de Alegre no PS, pois, ainda não há muito, dissera que ele não fazia ali falta e que os procedimentos que ia adoptando “ raiavam a falta de carácter”!...
Tomara Lello e outros dos seus camaradas terem tido já a vontade e a arte de prestigiar tanto o Partido como Manuel Alegre.

sexta-feira, maio 15, 2009

 

Para Ler e Meditar

“Na mensagem que Bento XVI deixou em Israel e na Palestina há uma miragem antiga, mas às vezes as miragens antigas cumprem-se”
(Nuno Pacheco, no Editorial do público de ontem)

 

O que se passou, afinal?!

Começaremos por dizer que não está, de forma alguma, em causa a pessoa que foi escolhida para candidato do PS à Câmara da Figueira, Juiz-Desembargador João Ataíde das Neves que nada terá a ver com o verdadeiro imbróglio que se passou recentemente naquele Partido.
A nossa reacção ou mesmo indignação, como militante socialista, vem das circunstâncias de certo modo anormais e mesmo estranhas em que decorreu todo o processo que, há já meses, se tem desenvolvido para a escolha de um candidato.
Para finalizar a “verdadeira telenovela” do “diz-se diz-se”, que o candidato seria este ou aquele (e de muitos se falou) em que foram interventores o presidente da Comissão Política Concelhia e outros seus camaradas mais próximos, houve por parte daquela Comissão a proposta de Ataíde das Neves, sendo o nome de Luís Marinho proposto por outros, sujeitando-se ambos a uma eleição, saindo este derrotado.
Só que, ontem mesmo, em conferência de imprensa, Luís Marinho veio dizer que nunca tinha sido convidado formalmente por António João Paredes, embora se tivesse, há já mais de seis meses, mostrado disponível, ficando Paredes de, oportunamente, formalizar o convite, o que nunca veio a acontecer e nem sequer qualquer explicação lhe foi dada.
Mais: Luís Marinho disse, naquela referida conferência de imprensa, que nunca deu autorização a ninguém para que indicasse o seu nome ou para que o sujeitasse a uma disputa eleitoral com Ataíde das Neves, a quem até já dera o seu apoio.
Ora, é incorrecto e muito grave que se use o nome de uma pessoa para determinado fim sem o seu consentimento.
Poderá até pensar-se que houve a intenção de penalizar uma possível candidatura de Luís Marinho a Coimbra como, aliás, já constava há tempo.
O que haverá, pois, por detrás de toda esta “trapalhada”, a que nem sequer Vítor Batista, Presidente da Federação de Coimbra, conseguiu ou não quis por cobro?!
Enfim, para que tudo fique bem esclarecido, impõe-se averiguar a verdade dos factos.
É que num Partido Democrático como é o PS, não deve haver actos suspeitos ou dúvidas quanto a propósitos ou intenções.
Para finalizar: o que é curioso é que Ataíde das Neves ainda não obteve a autorização do Conselho Superior da Magistratura para concorrer á Câmara da Figueira, autorização que, segundo ele já disse, poderá vir a acontecer só em Junho.
Quer dizer que, neste momento, não dispõe ainda das condições precisas para se apresentar e movimentar como candidato

 

As consequências políticas

Parece que, infelizmente, poucos são capazes de retirarem de certas situações as devidas consequências políticas.
Numa época em que vários autarcas estão a ser julgados ou, pelos menos, têm já a posição de arguidos; em que sobre políticos de outro nível recaem fortes suspeitas de terem prevaricado, tudo corre bem e desempenham com a maior normalidade as suas funções…
Entendemos que, na verdade, não deve condenar-se ninguém na praça pública, terá sim, que haver uma sentença judicial condenatória, mas entendemos também que não é possível a políticos, quanto aos quais há suspeitas graves de actos ilícitos ou criminosos, exercerem convenientemente as suas funções de cabeça erguida.
Não seria mesmo necessário que fossem demitidos ou suspensos, eles próprios deviam, sim, afastar-se dos lugares políticos que exercem.
Mas, neste país, quem é apanhado a mentir num inquérito, mantém-se num dos órgãos mais altos da hierarquia do Estado; quem é acusado por seus pares de exercer sobre eles pressões de natureza política, em processos que estão a investigar, continua no seu lugar de um organismo internacional; quem “empurre” para outros quase sempre seus subordinados, a culpa na prática de actos ilícitos, vai permanecendo nas posições políticas que ocupam…
Enfim, muitos vão-se valendo do princípio da presunção de inocência!
Mas, será que tal se deva aplicar mesmo quanto a suspeitos graves que exerçam funções políticas?!
Como pode exercê-las bem quem, perante o público, se sabe que há suspeitas quanto á sua acção política?!
Claro que alguns desses suportam tudo só para continuarem a gozar, nem que seja por mais algum tempo, as regalias de uma sua situação política.
Porém, as consequências de um processo judicial não são necessariamente aquelas que politicamente devem ser tomadas em certos casos

 

A coragem do Papa

Na sua visita a Israel e Palestina o Papa foi, sem dúvida, corajoso.
Não receou falar, com sinceridade e frontalidade, sobre o já antigo e violento conflito existente naquela região.
Defendendo Israel, como Nação, não deixou também de falar no direito dos palestinianos a uma Pátria independente; criticou a existência de muros de betão que separam aqueles dois países e, mais do que isso, apelou a que os “corações” de um lado e do outro se aproximem e a que os dois povos venham, com urgência, a entender-se, acabando com a violência e actos de verdadeiro terrorismo.
E não esqueceu o bloqueio a Gaza, pedindo que se termine com ele.
Poderá dizer-se que o Papa disse o que lhe competia, mas fê-lo com coragem, deixando naquela região mártir uma convicta mensagem cristã.

quinta-feira, maio 14, 2009

 

Para ler e meditar:

“O ambiente público, de embate, de antagonismo, está todo inquinado por suspeições, ressentimentos, medo e insegurança. Parece não existir nenhum sector da nossa vida colectiva que não esteja a ser fustigado pela falta de confiança. O enxovalho tornou-se um hábito”
(Moita Flores, no Correio da Manhã do dia 26 de Abril)

 

“CEMAR” é já de utilidade pública

Como a Figueira não soube ou não quis dar a importância devida ao CEMAR (Centro de Estudos do Mar), de que é dinâmico e competente e responsável o Doutor Alfredo Marques, tem agora sede em Mira, onde tem recebido bons apoios oficiais e onde tem desenvolvido uma muito meritória acção meritória.
Enquanto esteve na Figueira o CEMAR realizou várias e valiosas iniciativas, como lançamento de livros e outros documentos históricos, colóquios, enriquecimento da toponímia em louvor de D. Pedro e do Mar Português, etc.
Pena foi, pois, que o CEMAR deixasse de poder contar com o apoio oficial da nossa Câmara.
Tivemos, agora, a informação que ao CEMAR foi atribuída a declaração de utilidade pública, como, aliás, é de justiça.

 

Pequenas… Grandes Coisas.

Como já disse várias vezes, o valor turístico de uma localidade exige mais do que grandes eventos, de pomposas iniciativas e de… muito fogo de artifício.
Também as pequenas coisas contam para afirmar a qualidade do turismo que se oferece, como a limpeza da cidade, a boa gastronomia, um afável acolhimento e uma digna hotelaria, etc.
Assim, de novo aqui estamos a chamar a atenção de quem de direito para o seguinte:
- A simples lavagem das placas toponímicas, pois nalgumas já não se lêem as inscrições;
- A urgente recuperação do Forte de Santa Catarina;
- Obras no cada vez mais decrépito Castelo Eng.º Silva, que poderá a vir provocar graves acidentes;
- O corte das ervas que crescem a esmo nos passeios e valetas de muitas ruas;
- A reparação de algumas vias (por exemplo: a Almeida Garrett, que tem uma parte que pode aluir); a que dá acesso ao restaurante Cantarinha, em Buarcos, e muitas outras que estão em mau estado;
- A reparação de muitos prédios na cidade que estão em grande degradação;
- A lavagem e desinfecção dos contentores do lixo;
- A pintura do edifício do Mercado Municipal, que está em local muito visível;
- A limpeza do chamado “OASIS” e o seu melhor aproveitamento.
Mas há mais, só que por hoje chega.

 

Só falta o PSD!

Conhecido, enfim, o candidato do PS à Câmara da Figueira, e sabendo também já os candidatos do CDU (Silvina Queirós), e o de uma lista independente (Javier Vigo), não demorará decerto a saber-se qual o cabeça de lista do PSD, que, segundo se diz, esteve à espera de aparecer o do PS! ...
Agora, há que aguardar que se saibam escolher os outros membros das listas, que são sempre essenciais para que qualquer Presidente de Câmara possa realizar obra válida, levando o Concelho á prosperidade desejada e precisa.

 

O PS local já escolheu candidato

Depois de um processo trabalhoso, moroso e difícil, ontem a Comissão Política Concelhia, optou, para candidato á Câmara pelo Juiz Desembargador João Ataíde das Neves, que já exerceu funções, com competência e distinção, nesta Comarca.

Foi depois nomeado como Director da Polícia Judiciária m Coimbra, estando actualmente colocado no Tribunal da Relação daquela cidade.

Que se saiba é a sua primeira experiência autárquica e política.

Desejamos-lhe êxito, se porventura vier a ser eleito, na gestão camarária, que será difícil, até pela grave situação financeira existente no nosso Município.

quarta-feira, maio 13, 2009

 

Para ler e meditar

“ A senhora ministra falhou estrondosamente com o sistema de avaliação do desempenho dos professores, a vertente mais mediática da enormidade a que chamou estatuto da carreira”
( Santana Castilho in Público de hoje)

 

A política?!

Nunca, como agora, houve tanta hipocrisia na vida política!
Os adversários insultam-se, agridem-se com frequência, pelo menos verbalmente, não se limitam a fazer crítica política mas, sim, a descomporem-se pessoalmente.
Vem isto a propósito da visita na próxima sexta-feira do Primeiro-Ministro à Madeira.
Depois do que Alberto João Jardim já disse publicamente do “ sr. Sócrates” o qual “ afundou” o país, vai recebê-lo de bom grado, de braços abertos!...
É realmente complicado compreender isto.
Tudo estaria bem se alguns políticos ao falarem de outros usassem de contenção na linguagem e das regras da boa educação.
Mas não. Hoje, para esses, não há adversários políticos, mas ferozes inimigos que é preciso eliminar ou pô-los de rastos com acusações terríveis e responsabilizando-os por tudo o que de mau acontecendo!
E a verdade é que quem assim procede não vê ou não quer ver o que ele próprio faz. Diz o povo “ ele vê o argueiro no olho do vizinho e não vê a trave que tem no seu”.
Com políticos destes, tão maldizentes e incorrectos o país, daqui a pouco, torna-se um mercado de “ regateiras” que, normalmente, não têm “ papas na língua”.

 

As “ Europeias” são ou não um referendo à acção do governo?

Os responsáveis do PS têm dito que não receiam que as eleições europeias resultem em referendo ao que tem sido a sua acção governativa.
Mas, por outro lado, vai-se dizendo que nos debates a fazer nas “ europeias” não devem ser discutidos assuntos que apenas devem interessar no período das eleições legislativas.
É evidente que assim devia ser. Porém, há casos em que ( por exemplo: fundos comunitários mal aproveitados ou manifestamente insuficientes, mau tratamento da política agrícola e piscatória, etc) fatalmente terão que vir “ à baila” já nas eleições europeias…
Daí que não se possa pôr travão na forma como os candidatos resolvem actuar.
E se for mau o resultado eleitoral para o partido do governo, claro que isso quererá dizer alguma coisa!

 

Vital Moreira em discordância com Sócrates?!

Enquanto o cabeça de lista do PS às eleições europeias veio criticar a acção de Durão Barroso à frente da UE, o certo é que Sócrates e, portanto, o partido de que é líder já revelaram o seu apoio expresso àquele para novo mandato.
Incompreensível mas é verdade!
Vital Moreira chegou a responsabilizar Barroso por “ impasses” na UE por não ter valorizado devidamente a estratégia de Lisboa e não fazer todas as diligências e políticas “ para apostar no crescimento diferenciado, no emprego qualificado, que é isso que pode distinguir a UE e fazer renascer o crescimento económico e dar emprego a centenas de milhões de jovens que saem das universidades”.
Disse ainda que Barroso “ tem descurado o aprofundamento da UE em favor do alargamento”.
Tais declarações de Vital Moreira têm relevante importância sobretudo a poucos dias de ele merecer a confiança do líder do PS e não só, pois alguns “ notáveis” desse partido o apoiaram!

 

O Presidente do Eurojust

Por decisão unânime do Conselho Superior do Ministério Público foi, como se sabe já, ordenado instaurar um processo disciplinar ao actual Presidente do Eurojust, Lopes da Mota, ex-Secretário de Estado de um governo socialista.
E a razão é a de que do inquérito já realizado resultaram fortes indícios daquele Magistrado ter exercido pressões sobre os dois Procuradores da República que estavam a investigar o caso Freeport, no sentido de arquivarem tal processo, querendo, segundo parece, proteger a posição do Primeiro-Minsitro naquele caso.
Lopes da Mota, pela representação oficial do nosso país no Eurojust de que é Presidente não deve permanecer nesse lugar, renunciando a ele ou, pelo menos, pedindo a suspensão enquanto não se souber o resultado do processo disciplinar.
É que os indícios da sua ilícita actuação, que levaram o Conselho Superior do Ministério Público a mandar instaurar aquele processo, que é sempre grave, não podem ser esquecidos.
O Estado português não deve, não pode ser representado num organismo internacional por quem recaem suspeitas graves na prática de actos ilegais.

 

Guimarães, capital europeia da Cultura em 2012

Será a terceira cidade portuguesa a receber tal distinção. Depois de Lisboa e Porto coube agora a vez de Guimarães, berço da nossa nacionalidade. É motivo de regozijo para aquela cidade mas também para Portugal.
Além da distinção conferida pelo Conselho de Ministros da UE, Guimarães vai dispor de 70 milhões de euros para a recuperação urbana do seu valiosos património histórico-cultural.
Parabéns

 

A separação de poderes

A nossa Constituição consagra o respeito e garantia do princípio da separação de poderes não sendo, pois, possível haver intromissão em matérias da exclusiva competência de um ou de outro dos poderes.
Daí que haja incompatibilidades quanto aos juízes de exercerem funções e certas e determinadas actividades públicas ou privadas.
E compreende-se que assim seja, precisamente para que não possa vir a ser possível aquilo a que se vai chamando “ a promiscuidade” entre os poderes. Tal desvirtua a essência das funções, que devem ser exercidas com completa independência e autonomia, cumprindo, assim, única e exclusivamente os poderes judiciais, integrando a soberania que detém.
Por isso é legítimo que se considere como justificadas as incompatibilidades que os juízes devem ter para exercer cargos políticos, aceitando, assim, “ a mistura” de poderes, contrariando o princípio da sua separação. Porém, a lei constitucional permite que o Conselho Superior da Magistratura deva ser ouvido e se pronuncie sobre a nomeação de um juiz para determinado cargo político.
E, para tal, pode funcionar então uma teia de argumentos, principalmente de ordem política para que se obtenha a devida autorização.
Por que não acabar com a possibilidade de quem tem poderes judiciais não desempenhar cargos políticos?!
Até porque este são normalmente transitórios e nada impede que um juiz venha a ter que exercer funções judiciais em qualquer caso em que, como político, já tenha intervindo por si ou através de qualquer subordinado seu!
E se o nº5 do art. 216 da Constituição permite que a lei possa estabelecer outras incompatibilidades, além das enumeradas no número anterior daquele citado artigo com o exercício da função de juiz porque não aproveitar essa possibilidade legal?
Valerá sempre mais um bom juiz do que um mau político!

terça-feira, maio 12, 2009

 

Afinal a empresa ficou sem certificação!

A pressa em anunciar “coisas e loisas”, por vezes o governo não tem tido a ponderação devida.
Veio, agora, a saber-se que os muitos elogios que se fizeram à empresa dos painéis solares não tinham, na verdade, razão de ser e depois a Energie (assim se chama a empresa), da Póvoa de Varzim, veio a perder a certificação de produtor de equipamentos solares térmicos.
Parece que o governo ainda não tem conhecimento oficial dessa medida.
Mas o certo é que tudo se devia prever a tempo, evitando-se dizer bem do que não merece.

 

A humildade fica sempre bem!

Mas, por vezes, não chega para “apagar” o mal que se fez!
O Primeiro-Ministro do Reino Unido pediu desculpas públicas pelos gastos ilícitos feitos por alguns dos membros do seu governo.
A humildade, ao reconhecer o erro, é sempre bonita!
Porém, há casos em que o erro é de tal forma grosseiro e ilegal que, na verdade, as respectivas consequências devem ser outras, principalmente quando se trata de políticos.
O poder é tão bom que custa deixá-lo, não é?!

 

Vital Moreira e a “invenção do medo”

Quando vai estando generalizado o sentimento do medo: nas Escolas, nos locais de trabalho, nos serviços públicos, nos Tribunais, e até nos próprios Partidos, etc, o cabeça de lista do PS para as eleições europeias veio dizer que não, que não há medo, que isso faz parte apenas da crítica maldosa que os Partidos da oposição ao governo está a ser utilizada.
Claro que Vital Moreira não deve sentir medo de falar, de agir desta ou daquela maneira, descrever, de conversar seja com quem for.
Também era melhor que o medo chegasse a tão alto nível!
Mas, a outro nível mais baixo, que há já medo, há!
Quando se concorre a um lugar, há medo que, não sendo adepto de certo Partido, venha a ser preterido.
Há medo nos ambientes fechados das Escolas, das repartições públicas, mesmo nas empresas privadas.
Não há, evidentemente, uma PIDE organizada, como em tempos de muita má memória…
Mas que vai havendo “bufos”, que levam aos superiores o que ouvem e algumas vezes deturpado, só para angariar simpatia ou mesmo interesses pessoais.
É pena que Vital Moreira não tenha tempo para descer do seu pedestal agora politicamente mais alto, para poder aperceber-se da realidade.

 

O Conselho Superior do Ministério Público decidiu

Em reunião desse Conselho, foi decidido instaurar um processo disciplinar ao Magistrado Lopes da Mota, já que do respectivo inquérito resultaram indícios fortes de que terá havido pressões de natureza política sobre os Magistrados que investigavam o caso “freeport”.
O que virá então a verificar-se nesse processo disciplinar, que, segundo a lei, terá de ser concluído em prazo razoável, pois a lei não fixa um prazo certo!
Uma coisa é certa: aperta-se o cerco a quem possa estar envolvido no referido caso ou, pelo menos, a quem não devia ter um comportamento comprometedor!...

domingo, maio 10, 2009

 
video

quinta-feira, maio 07, 2009

 

Para ler e meditar

“Dois milhões de pobres. É esta a verdadeira medida do nosso atraso e da nossa vergonha, não a percentagem do PIB que ora desce ora sobe”
(Rafael Barbosa, no Jornal de Notícias do passado dia 20 de Abril)

 

Os comunistas continuam a ter culpa de tudo?!

A propósito do incidente ocorrido no dia 1, numa manifestação promovida pela CGTP, em que Vital Moreira foi vaiado, insultado e até agredido, logo quer é o visado quer outros começaram a atribuir ao PCP e a militantes seus a culpa do que se passou.
Embora consideremos incorrecta a conduta dos que assim procederam, não se aceita, ser legítimo que o PCP, mais uma vez seja “o mau da fita”!
Os que procederam insensatamente e com maldade foram identificados?
O descontentamento em relação às políticas do governo existe só naquele partido ou é generalizado?
Se o PS nunca se fez apresentar em qualquer manifestação do 1.º de Maio, porquê desta vez?
Poderá considerar-se uma provocação?
Enfim, perguntas que ficam no ar, mas que têm razão de ser.
Mas o que mais nos impressionou foi comparar o que fizeram a Vital Moreira com o que aconteceu há já anos com o Dr. Mário Soares.
Francamente, parece que também ele quer que do ocorrido haja resultados favoráveis para a sua posição de candidato às eleições europeias.
Não há que comparar o capital político que Mário Soares tinha então com o de Vital Moreira, de quem muito apreciamos e admiramos os seus méritos intelectuais, profissionais e académicos, mas políticos ainda não se revelou como um líder.
Acresce que o que se passou na Marinha Grande com Mário Soares foi em plena campanha para as legislativas, que, sem dúvida, nessa altura, mais crispações e fortes confrontos ideológicos motivaram.
Mas, enfim, Vital Moreira pensa, decerto, que vai valer-lhe, nas próximas eleições europeias, alguma coisa a exposição pública a que se submeteu.
Talvez a intenção fosse boa, mas devia, quanto a nós ser mais ponderada.

 

Ideologias para quê?!

Cada vez mais, infelizmente, a vida política se desenvolve sem atenção a ideologias ou programas pré-determinados.
O que se faz, neste ou naquele sector, não passa quase sempre, de medidas parcelares, de acordo com as circunstâncias ou situações que vão surgindo.
Poucos são já os políticos que se mantêm fiéis aos seus ideais iniciais!
Por isso aparecem com frequência em lugares relevantes os que não precisam de impor a ideologia que sempre apoiaram e defenderam.
Limitam-se a fazer uma política, digamos assim, “do dia-a-dia”, sem preocupação de cumprir um plano global, baseado de acordo com princípios ideológicos.
Esquecem-se matrizes ou regras que são sempre essenciais para uma melhor e coerente acção política.
É pena que assim vá acontecendo, pois o confronto de ideias deviam ser sérios e elevados, não se recorrendo a discursos balofos, cheios de remoques, de arrogância e mesmo de insultos, que não conduzem a nada de bom.
A não inobservância da ideologia tem contribuído para o descrédito dos partidos, embora se admita que os seus programas, onde se espelha a sua ideologia, sofram algumas alterações de acordo com o evoluir da sociedade.
Mas nunca essas alterações devem recair, desvirtuando-as, nas matrizes essenciais dos partidos.
É por tudo isto que muitos entendem que nos partidos vão aparecendo quem nunca agiu segundo as suas regras, quem nunca lhes revelou sequer a sua simpatia ou lhes prestou quaisquer serviços.
A crise ideológica é mais uma, e também grave, que afecta os portugueses.

 

“i” – o novo Diário

Saiu hoje o número 1 deste diário.
Dispondo de um categorizado grupo de jornalistas e de bons cronistas, o novel jornal tem as melhores condições para se impor no meio da imprensa escrita.
Saudamos tomos os que trabalham no “i”, desejando-lhes muito êxito.

 

Exposição no Museu

Foi, ontem, inaugurada no Museu Municipal uma exposição subordinada ao tema “David de Sousa – Música com Alma”.
Homenageou-se, assim, um figueirense notável no meio musical, como violoncelista, compositor e maestro, que actuou não só em Portugal mas também no estrangeiro sempre com muito êxito.
Morreu muito novo, durante a epidemia da gripe pneumónica, mas já deixou um nome consagrado e composições musicais de grande harmonia e mérito.
O Museu, mais uma vez, teve uma iniciativa valiosa, fazendo recordar um figueirense de relevo.

 

O Foral de Tavarede

A Junta de Freguesia de Tavarede vai promover comemorações da atribuição do Foral daquela localidade que se realizarão em 8, 9 e10 do mês corrente.
Esse Foral faz 493 anos e foi concedido por D. Manuel I.
Agradecendo o convite, formulamos votos para que os actos que fazem parte do respectivo programa decorram com êxito.

 

Homenagem à Dr.ª Maria Judite Mendes Abreu

A Câmara de Coimbra vai homenagear esta nossa ilustre conterrânea, corajosa lutadora antifascista, com prestimosa colaboração nos movimentos da Oposição Democrática.
Será descerrada, nos próximo dia 16, pelas 15h30m, uma placa toponímica com o seu nome, no Bairro do Loreto.
É uma homenagem justíssima a uma Mulher de real valor, Pedagoga distinta, que ocupou, após o 25 de Abril, sempre com dedicação e êxito lugares directivos nas Câmaras da Figueira e de Coimbra.

domingo, maio 03, 2009

 

Dia da Mãe

É sempre com muita emoção e saudade que recordo a minha Mãe.
Se raro é o filho que não diz bem da sua mãe, não esquecendo os carinhos, o amparo pronto, a compreensão e o melhor aconselhamento que recebe dela – eu fui, sem dúvida um privilegiado ao ter a Mãe que tive, tão bondosa, terna, solidária, paciente e sempre disposta a todos os sacrifícios para que não me faltasse nada.
Foi, na verdade, uma Santa Mãe, que ainda hoje, todos os dias lembro e procuro seguir o exemplo que durante a sua vida, não muito longa me deu.
Nunca a vi exaltada, amuada, quezilenta, irritada ou desgostosa com a vida que até não lhe foi fácil.
Neste dia, consagrado à Mãe mais a recordo emocionadamente e ao mesmo tempo muito orgulhosos por ter tido a melhor Mãe do mundo!
Bem gostaríamos que todos pudessem ter mães com as mesmas qualidades da minha.
As mães são indiscutivelmente uma dádiva constante de amor.

 

Para ler e meditar

“ O governo quer reduzir as multas contra os atentados ao ambiente.Com a justificação de que é necessário adequá-las ao quadro sócio-económico do país. Não se percebe. As leis ambientais existem para proteger um bem público e os bens públicos não perdem valor em função da crise.
A mensagem do governo é por isso errada e perigosa”
( Na secção Sobe e Desce in Público de 1 de Maio)

 

A segurança nos tribunais

Agora, foi a vez do tribunal da Lousã a ser assaltado.
E foram roubados muitos processos e documentos, que, por sinal estavam já digitalizados.
Quando será que o respectivo Ministério trate a sério da segurança nos tribunais?!
É incrível o que está a suceder…
Daqui a pouco nem os processos mais importantes estão livres da acção dos assaltantes, que até podem agir a mando de alguém que tenha interesse em que este ou aquele processo desapareça.

 

Ai sr Alberto, sr. Alberto

Têm sido muitas e dispendiosas as “ viagens secretas” que o líder madeirense fez em 2008.
Meio milhão de euros foram-se em viagens só num ano…
Não será viajar muito? E, afinal, para quê?!
Será já a fazer as suas despedidas do lugar político que tem ocupado?
E foi ele que, para evitar concursos públicos para tais viagens, as classificou de “ secretas”.
Claro que isso já mereceu reparos por parte d tribunal de contas, pelo recurso sistemático a ajustes directos.
Mas não é de estranhar…

 

Mais num desaire para o Ministério da Educação

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra acabou de suspender as orientações daquele Ministério para os Conselhos Executivos das Escolas imporem objectivos individuais se os professores não os tivessem apresentado.
Esta decisão foi tomada numa providência cautelar requerida pelo Sindicato de Professores da Região Centro.
Seguir-se-á, agora, a respectiva acção administrativa com a qual se pretende declarar nulo o acto.
Quer dizer que, para já, o Ministério da Educação sofreu mais um desaire na tão polémica questão da avaliação dos professores.
E o certo é que não podem ser aplicadas quaisquer sanções aos professores que não apresentaram os objectivos individuais como o Ministério queria…
São já muitas as acções que estão a correr termos sobre este assunto e há que aguardar que os tribunais venham a fazer a justiça que se impõe.

sábado, maio 02, 2009

 

Para Ler e Meditar

" A sociedade está a ser assolada por várias crises e talvez a maior nem seja a financeira. A maior, porque é de base, é a crise cultural e de educação"
( Fernando Sobral in Jornal de Negócios de 30 de Abril)

 

Vital Moreira vaiado, insultado e agredido

O cabeça de lista dos candidatos do PS às eleições europeias fez parte de uma delegação daquele partido na manifestação da CGTP comemorativa do 1º de Maio.
Mas, Vital Moreira foi ali apupado, insultado e até agredido, por alguns dos participantes naquela manifestação, decerto desiludidos com as políticas do partido do governo.
Não são correctas atitudes destas, que, como alguém já disse ficou como uma mancha numa manifestação como aquela, em que se celebrava o 1º de Maio, embora à mistura com protestos dos trabalhadores.
Porém, infelizmente, qualquer político está sujeito ao que sucedeu.
Não foi boa a “ estreia” de Vital Moreira.

 

Os projectos de Sócrates

Há dias, foram arquivados os processos referentes a projectos de que teria sido autor José Sócrates.
A prescrição legal de 10 anos impôs esse arquivamento.
Lei é lei e há que obedecer-lhe.
E os que esperavam que tais processos viessem complicar mais a vida de Sócrates ficaram a “ chuchar no dedo”.

 

Vergonha!

Todos os partidos com assento no parlamento votaram um mais elevado financiamento para os seus gastos!
Parece que, na verdade, os partidos estavam à espera do apelo que o Presidente da República fez no sentido de uma contenção de despesas nas campanhas eleitorais para aumentarem o valor das verbas que podem gastar e... que podem até ser em dinheiro vivo.
Mais: a angariação de fundos junto dos privados também sofreu alteração, evidentemente para valores mais elevados, podendo ser concretizados em notas, o que poderá levar a um seu mau aproveitamento e abrindo a porta a quem se dispuser a fazer dele uso próprio!
Numa época de grave crise económica, só para os partidos ela não existe...
E devem dar o exemplo.
Só o deputado socialista António José Seguro votou contra a nova lei do financiamento dos partidos.
Valha-nos ao menos alguém que não quis participar de uma atitude que, neste momento, é vergonhosa!

 

Os “ Magalhães” já se vendem na feira da ladra

Quem havia de dizer que o computador que tem sido um emblema valioso na propaganda deste governo, chegava tão depressa à feira da ladra!
Ali, como se sabe, vendem-se antiguidades ou objectos já usados, por preços muito baixos...
Ora, o “ Magalhães” foi lançado como algo de muito interesse e importância pelo governo que se comprometeu a distribuir pelas escolas, para uso dos alunos, alguns milhares desses computadores.
Será que eles caíram já em “ desgraça”, vindo a ocupar apenas lugar na feira da ladra?!
Tanto se elogiou o “ Magalhães” e tanta propaganda dele se fez, e, afinal foi “ sol de pouca dura” acabando ingloriamente nas mesas de uma feira de objectos usados e de pouco valor!
Os entusiasmos precipitados, por vezes, não são, efectivamente, merecidos.

 

O 1º de Maio na Figueira

Muitos ranchos folclóricos e muito povo estiveram na cidade festejando em vários locais o Dia do Trabalhador.
Claro, muitos dos participantes não escondiam o pesadelo que já vão sofrendo quanto ao seu futuro.
Mas, apesar disso, quiseram aproveitar o dia para se reunirem e testemunharem, não só a sua força, mas o desejo de contribuírem para um país novo, cada vez mais democrático e próspero.
Lembro, neste momento, o que foi a primeira manifestação popular realizada no 1º de Maio, na Figueira, após a Revolução de Abril.
Foi em grande, tendo os democratas figueirenses a honra e o prazer de ver a sempre saudosa Drª Cristina Torres empunhando a bandeira nacional, logo no início da grandiosa manifestação!
Então, vivia-se sentidamente a liberdade e tinha-se a esperança de a agarrar com muita força, não a deixando escapar, para que Portugal conhecesse uma nova vivência mais feliz.

sexta-feira, maio 01, 2009

 

O aniversário da Associação Naval 1.º de Maio

Esta centenária e prestimosa Colectividade, vai agora comemorar mais um aniversário.
A Naval durante os seus já muito longos anos prestou à cidade relevantes serviços.
Não só desportivos (em vária modalidades), mas culturais (lembramos o que foi o seu excelente grupo cénico), e ainda muitos eventos recreativos valiosos, etc.
A Naval 1.º de Maio tem a sua história de certo modo ligada à história da Figueira.
E, por isso, os figueirenses, sejam ou não seus adeptos ou sócios, devem homenageá-la nesta data de aniversário.

 

O 1.º de Maio

É o dia dedicado aos trabalhadores.
É o dia em que têm podido fazer festa para comemorar a sua intrépida luta a favor de justas revindicações e de direitos fundamentais.
De trabalho “quase escravo” passou-se a uma necessária regulamentação e valorizou-se devidamente o trabalho, dignificando quem o presta.
Mas, a festa deste ano é, sem dúvida, ensombrada pela precária situação em que milhares de trabalhadores se encontram, com salários em atraso, elevada taxa de desemprego, com imensas falências de fábricas e empresas, com abusos e aproveitamentos ilícitos por parte das entidades patronais que invocam a desculpa da crise económica global.
E a festa de amanha, só com muito custo, poderá dar um “ar da sua graça”, tanta é a tristeza nos lares de muitos milhares de trabalhadores portugueses.
Mas, deverão eles sempre recordar o que de muito mérito representa o 1.º de Maio, em que, heroicamente (podemos dize-lo), a classe trabalhadora tomou, enfim, consciência do que valia, saindo do desprezo e das injustiças com que era tratada.
Por isso, apesar dos actuais maus tempos, deve haver sempre quem se sinta bem a festejar e a gritar bem alto: Viva o 1.º de Maio.
E que os trabalhadores em que reside o principal da indústria, do comércio, da economia em geral, mais se unam e continuem a sua luta constante e corajosa para que possa, no futuro, a festa do 1-º de Maio ser gozada em pleno.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?